Prece a um Anjo de Cor

(Canção de Carlos Cruz e Fernando César)

Negrinho do pastoreio
Anjo sozinho por ser de cor
Me leva, me ensina o meio
De achar os braços do meu amor
Me pede o que tu quiseres
Que tudo é pouco por tal favor
Eu dou o que tu pedires
Seja o que for

Negrinho, tu foste escravo
Escravo eu sou do meu amor
Eu sofro uma dor mais forte
Que a do chicote do teu feitor
Te dou a mais bela vela
Que jamais teve Nosso Senhor
Negrinho me leva a ele
Peço o favor, me leva ao meu amor
(bis)