Nem às Paredes Confesso

(Canção de Arthur Ribeiro e Trindade)

Não queiras gostar de mim
Sem que eu te peça
Não me dês nada que ao fim eu não mereça
Vê se me deitas depois
Culpas no rosto
Eu sou sincera porque não quero dar-te um desgosto

De quem eu gosto, nem às paredes confesso
E nem aposto que não gosto de ninguém
Podes rogar, podes chorar, podes sorrir também
De quem eu gosto, nem às paredes confesso
(Bis)

Quem sabe se eu te esqueci ou se te quero
Quem sabe até se é de ti, por quem espero
Se gosto ou não, afinal, isso é comigo
Mesmo que vences, que me convences
Nada te digo