Miss Suéter

(Canção de João Bosco e Aldir Blanc)

Fascínio tenho eu por falsas louras
Ai, a negra lingerie,
Com sardas, sobrancelha feita a lápis
E perfume da Coty

Na boca dois pivôs tão graciosos
Entre jóias naturais
E olhos tais minúsculos
Aquários de peixinhos tropicais

Eu conheço uma assim
Uma dessas mulheres que o homem não esquece

Ex-atriz de TV
Hoje é escriturária do INPS
E que dias atrás
Venceu lá o concurso de Miss Suéter

Na noite da vitória, emocionada
Entre lágrimas falou:
– Nem sempre minha vida foi tão bela
Mas o que passou, passou

– Dedico esse título à mamãe
Que tantos sacrifícios fez
Pra que eu chegasse aqui ao apogeu
Com o auxílio de vocês

Guardarei para sempre
Seu retrato de miss com cetro e coroa
Com a dedicatória
Que ela, em letra miúda, insistiu em fazer

– Pra que os olhos relebrem
Quando o teu coração infiel esquecer

Um beijo, Margot