Meu Dono, Meu Rei

(Samba de Dias da Cruz - Cyro Monteiro)

Você só me bate, pretinho
Não faz um carinho
Pra me consolar

E eu que sou tão boazinha
Tão direitinha
Sei lhe respeitar

Talvez que de agora em diante
Meu sonho distante
Realizei

Tomara que a vida da gente
Mude totalmente
Meu dono, meu Rei

Sua pretinha cativa
Tem a chama viva
No seu coração

E é a lareira do peito
Que em meio ao respeito
Acende a paixão

Você só me bate, pretinho
Não faz um carinho
E eu choro de dor

Eu choro mas não sou covarde
Pois sei que não arde
Pancada de amor