Flor de Madrid

(Paso-Doble de Eduardo Patané)

Carmem, escolheu com seu olhar
Para seu amor, seu par
Um valiente toureador
Que na arena sim Carmem viu

E não quis jamais amar alguém pra não trair seu bem
De saudade se cobriu
Seu olhar não brilha mais
Nem pode ver aquela luz que fugiu

E quem passar sob os céus de Madrid
Vê sim, há de ver à vagar por aí
Sem lar, sem ninguém
A mulher que ficou a esperar
O amor que não vem, não vem

E quem passar sob os céus de Madrid
Vê sim, há de ver à vagar por aí
Sem lar, sem ninguém
A mulher que ficou a esperar
O amor que não vem, não vem