Distância

(Samba-Canção de Adelino Moreira)

As pedras que hoje me atiras
Passam distantes de mim
Mas ferem como as mentiras
Que ao nosso amor deram fim
Por tua mão criminosa
Eu fui botão e fui rosa
E tive a sorte enganosa
Do malmequer, bem-me-quer
Por teu desejo tirano
Por teu beijo desumano
Tornei-me de ano em ano
Uma sombra de mulher
Mas deixei o lamaçal
E galguei o pedestal
Onde me encontro afinal
Distanciada de ti
E só desejo que vejas
Que sei que tu me apedrejas
Somente porque desejas
Que eu desça o que já subi