Alma de Criança

(Canção de Paulo César Pinheiro e Mauro Duarte)

Você me acalma, quando me veste
Com esse abraço, tão acolhedor
Quando eu me sinto assim cansada desta vida, amor
Sem ilusões, sem emoções, sem esperança

Por que minha alma
Já tropeçou por toda sorte de fracasso e dor
E protegida pelo carinho desse abraço, amor
Minha alma fica como a alma das crianças

Por isso chega, da vida falsa
Da noturna vida das estrelas
Desses romances de que somos maus protagonistas
Chega de usar tanto verniz, e tantos brilhos

Só quero agora, a paz da minha casa
E sobre a porta aquela viga
O teu abraço, o teu olhar, tua palavra amiga
E os meus bichinhos, minhas plantas e meus filhos
(Bis)